Sobre Ontologia da Linguagem

O que é a Ontologia?
A Ontologia é o estudo do “Ser” e -particularmente- a investigação a respeito da natureza do “ser” humano. Como disciplina, a Ontologia é um conjunto de conhecimentos que oferece uma poderosa -e nova- interpretação a respeito do que significa “ser humano” e a natureza das interações humanas.

Como se desenvolveu a Ontologia?
A fonte de inspiração do termo Ontologia vem do trabalho de Humberto Maturana, um inovador biólogo chileno. Maturana desenvolveu uma teoria a respeito dos sistemas viventes, a linguagem e a comunicação, chamada Biologia do Conhecimento. A noção de “Observador” é um conceito fundamental de sua teoria: nós, seres humanos, somos “observadores do mundo”. Somos sistemas viventes que, com nossas emoções e nossos corpos, em conjunto com a linguagem, “modelamos” a maneira como o mundo se manifesta ante cada um de nós. Em outras palavras, cada um de nós cria “as interpretações de mundo” nas quais vivemos. A aprendizagem e as mudanças requerem mudanças em nosso sistema nervoso central, as quais só são possíveis através de mudanças em nossa linguagem, emoções e corporalidade. Mudar nosso sistema nervoso significa “transformar-nos num observador diferente”, capaz de ver diferentes maneiras de participar no mundo e tomar ações efetivas.

Livro referência: Ontología del Lenguaje (de Rafael Echeverría)
Echeverría nos oferece uma nova interpretação do que significa ser humano, não a partir dos antigos parâmetros que têm servido de base para observar a vida, mas além deles. Trata-se de uma proposta pós-moderna e pós-metafísica que tem recebido a influência de autores como Maturana, Flores, Searle, Graves, Austin e Heidegger, e baseia-se na tese de que todo fenômeno social é um fenômeno lingüístico.
Para ler o livro, clique aqui.