Integrando Corpo, Linguagem e Emoções

Por que integrar o corpo, a linguagem e as emoções?
Em Ontologia, nossa maneira de ser é vista como uma inter-relação dinâmica entre nosso corpo, nossa linguagem e nossas emoções. “Como somos” e “quem somos”, em cada momento, é um jogo dinâmico que envolve estes domínios.

Os trabalhos de numerosos filósofos, notavelmente Heidegger, Wittgenstein, Gadamer, Austin e Searle, tanto como as idéias do biólogo Humberto Maturana, proveram os alicerces para desenvolver uma interpretação diferente a respeito da natureza lingüística de nosso ser. As investigações de Fernando Flores deram como resultado o entendimento do mecanismo “linguagem-ação” nos seres humanos, estabelecendo o conceito de uma “existência lingüística”.

Maturana introduziu a idéia de que, na existência humana, existe um "trançado constante" de linguagem e emoções. Trabalhando juntos, Julio Olalla e Rafael Echeverría integraram um reconhecimento prático da natureza emocional do ser humano, e puseram em relevância em como ignorar este aspecto dos seres humanos, limita enormemente sua aprendizagem.

Olalla e Echeverría também remarcaram a maneira em que nossas atitudes e nossa disposição na vida são “corporalizadas”. Trabalhando de uma maneira respeitosa com as pessoas (o qual significa fundamentalmente respeitar sua dignidade como pessoa), a aprendizagem profunda ocorre também através de mudanças corporais.